15 de mar de 2009

"A verdadeira vida suava e sofria, desarrumada e suja"


Sobre um assunto em pauta na lista...

Essas coisas me remeteram, meio enviesadamente, a um trecho de uma crônica já antiga do Augusto Meyer, que li hoje de manhã. Ele está lembrando a sua vida de adolescente na Porto Alegre dos anos de 1910/1920. Ao falar sobre a prostituição, que acontecia (quase sempre discreta e dissimuladamente) em casas na vizinhanças da Praça da Matriz, em Porto Alegre, ainda sem o monumento a Júlio de Castilhos e a igreja em estilo romano, Mayer entra numa reflexão sobre as aparências da "sociedade idealizada" ou da "boa sociedade" passada aos jovens e o que ele observava:

"Mas toda aquela ordem composta parecia-me às vezez um cenário armado em palco e sobreposto a uma inquietação de bastidores, onde a verdadeira vida suava e sofria, desarrumada e suja."

Segue: "Aquela, sim, era uma lição de coisas que não cabia nos compêndios, mas entrava pelos olhos, convidando a meditar longamente sobre as duras contradições entre o lido e o vivido, entre a versão ad usum Delphini* que os educadores propõe à nossa ingenuidade, com catecismo e o ensino cívico, e o texto integral, cheio de borrões e emendas, com muitas lacunas de conteúdo e forma, de vez em quando enormes solecismos**."


*Uma definição da expressão AD USUM DELPHINI, que achei via Google no site da Universidade Nova de Lisboa: Designação dada às edições de autores clássicos que o duque de Montasieur mandou fazer com intuito didáctico, “para uso do delfim”, o príncipe herdeiro. Estas edições eram censuradas, omitindo os passos licenciosos ou que pudessem constituir atentados ao pudor. Hoje aplica-se o termo a qualquer edição que, por ter fins didácticos específicos, procede a uma correcção ou censura arbitrária do original. Aconteceu isso com Os Lusíadas, de Luís de Camões, desde a edição de Abílio César Borges, que suprimiu muitos versos, à de Otoniel Mota, que omite estrofes inteiras. Hoje pode-se utilizar também a expressão quando “adaptamos” algum texto para uso pessoal ou privado. (Por Carlos Ceia)

**"Solecismos são erros [gramaticais] que atentam contra as normas de concordância, de regência ou de colocação."
***"Augusto Meyer, poeta e ensaísta, nasceu em Porto Alegre, RS, em 24 de janeiro de 1902 e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 10 de julho de 1970."

Nenhum comentário: